Núcleo Cinematográfico de DançaFormado pela parceria artística entre Mariana Sucupira e Maristela Estrela, o Núcleo Cinematográfico de Dança, desde de 2002, pesquisa e investiga relações transversais de linguagem, principalmente entre a dança e o cinema, mas também flertando com a performance, o teatro e as artes plásticas. Possui um apreço pelas transgressões "indisciplinares", pelas intromissões mútuas entre modos de produzir, circular, enviesar, se dar a ver e hibridizar dança. Foi contemplado pelo Programa Municipal de Fomento à Dança - SP em 2006, 2010, 2011 e 2014; pelo edital Novos Coreógrafos - Novas Criações: Site Specific do Centro Cultural São Paulo em 2009; pelo  Programa de Ação Cultural / PROAC em 2009, 2011 e 2013 e Prêmio FUNARTE Klauss Vianna em 2013.



Pé de Step O grupo de Sapateado Pé de Step iniciou suas atividades em 1996, em Botucatu /São Paulo e desde então vem produzindo inúmeros espetáculos e eventos, participando de festivais de dança pelo país, ministrando aulas e workshops em diversas localidades e desenvolvendo pesquisas com outras linguagens corporais e sonoras, sempre com a enorme vontade de divulgar e difundir a arte de sapatear.
O Sapateado é um fazer artístico que está em evolução constante, aberto a uma grande gama de influências, sem abrir mão de sua essência e história, despertando nas pessoas uma paixão incondicional. Flávia Fazzio e Janaína Fazzio estão à frente do grupo Pé de Step.





Eduardo FukushimaCoreografo, dançarino e professor, é formado em dança no Curso de Comunicação das Artes do Corpo na PUC-SP. Realiza pesquisa solo em dança desde 2007. Participou de residências no Hellerau em Dresden, Mosounturm em Frankfurt, TanzHaus NRW em Dusseldorf,no SESC Vila Mariana em São Paulo e no Festival DNA em Lesaka, País Basco. Apresentou seus trabalhos em Importantes Festivais como Kunstenfestivaldesarts 2018 em Bruxelas, Luminato 2015 em Toronto, Tanz in August 2014 em Berlin, Dance Umbrela 2014 em Londres, Projeto Brasil em 2016 na Alemanha, Andanza 2011 na Bolivia, DanseFabrik 2015 em Brest na França , Movimento Sur 2014 no Chile, Panorama SESI de Dança 2010 em São Paulo, Panorama de Dança 2013 no Rio de Janeiro, FID 2010 em Belo Horizonte dentre outros. Premiado pela Bolsa suiça Rolex Mentor an Protégé Arts Initiative para estudar durante 1 ano em Taiwan. Recebeu o prêmio Rumos-Dança Itaú Cultural 2009 e o Prêmio Rolex de Artes 2012. Em 2017 foi convidado da Fundação Porosus de Paris para estudar no Camping no Centre National de La Danse em Patin-Paris. 



Coletivo Ímã Encontro da bailarina botucatuense Marília Coelho e do artista visual e designer gráfico Bruno Kurru, onde desenvolvem desde 2010 investigações sobre a dança e plataformas digitais. 
Em 2011 lançaram a webarte Imaterial, contemplada pelo prêmio Funarte de Artes Integradas. Em 2012, Imaterial foi selecionada para a mostra de Processos MAP/P de dança em Porto, Portugal, onde os artistas também realizaram uma fala sobre o processo do trabalho. Em 2016, Imaterial participou da exposição virtual "WebArte.Br - Experiências Artísticas Brasileiras na Internet", com curadoria de Fábio Fon e Realização do Sesc/SP.







Andreia Nhur & Katharsis Teatro O grupo Katharsis Teatro desenvolve, desde os anos 2000, uma pesquisa de dramaturgia e encenação centrada nas relações entre corpo, som, luz e multilinguismo. Sob direção de Roberto Gill Camargo, o grupo tem desenvolvido espetáculos experimentais premiados (Prêmio CPT-2009, Finalista ao APCA-2015, entre outros), e tem se apresentado em festivais nacionais e internacionais (Brasil, Portugal, Bélgica e Bolívia). O Pró-Posição Dança, criado em 1973 por Janice Vieira e Denilto Gomes (1951-1994), foi um dos expoentes da dança contemporânea dos anos 1970 no Brasil e foi retomado em 2007, com a parceria cênica entre Janice Vieira e sua filha, Andréia Nhur. Desde seu relançamento, o Pró-Posição recebeu os prêmios APCA (2013-Pesquisa em Dança), Governador do Estado para Dança (2013), Prêmio Denilto Gomes (2017) e foi indicado ao Prêmio APCA (melhor espetáculo de dança, 2017)




Michelle Moura Michelle é performer, bailarina, coreógrafa. Vive em Curitiba e trabalha de forma nômade. Suas criações são um mix de som-dança-performance, onde desenvolve práticas e estratégias performáticas que possam produzir mudanças psico-físicas. Como performer trabalhou e/ou colaborou com Vincent Dupont (FR), Dani Lima (BR), Alex Cassal (BR), Fabian Gandin (AR). Foi co-fundadora e integrante do Couve-Flor MiniComunidade Artística Mundial (2005-2012) junto com outros 7 artistas de Curitiba, e ainda hoje mantém parceria criativa com Elisabete Finger e de produção com Cândida Monte. Foi artista bolsista na Casa Hoffmann (2003) e integrou o programa Essais no CNDC de Angers/FR sob a direção artística de Emmanuelle Huynh. É mestre pelo AMCH – Amsterdam Master of Choreography.



Luiza Pinto Botucatuense graduada em Dança na Unicamp em 2017, possui também formação em Eutonia pelo Instituto Brasileiro de Eutonia e está em formação no cuso para professores de dança para crianças - técnica Klauss Vianna. Foi artista integrante do espetáculo "Simbad, que viajou o mundo" com direção de Rodrigo Matheus; e de "Árvore no Deserto", do grupo Ponte pra Lua. Em sua graduação, foi contemplada por editais internos na UNICAMP, onde ministoru um ciclo de oficinas e produziu workshops de Eutonia. Atualmente colabora com artistas de Botucatu e circula com seu espetáculo solo "Parece que Chove Mais" com orientação de Marisa Lambert.